aumentar o texto 100% 90% 80% 70% 60%

Colecção visitável Museu dos Fósforos

 

Durante 27 anos, o Cidadão Benemérito de Tomar, Aquiles da Mota Lima, coleccionou mais de 43 mil caixas e carteiras e cerca de 16 mil etiquetas de caixas de fósforos. Esta colecção, doada ao município em 1980, representa cerca de 127 países de todo o mundo, distribuídos por sete salas contíguas. O Convento de São Francisco, onde esta colecção visitável se encontra, abre a porta ao passado: história, política e literatura mundiais, música, arte, ciência, tecnologia, desporto, religião são apenas alguns dos temas que podemos encontrar; para além destes, ainda temos as inúmeras curiosidades, como a caixa francesa sobe-escadas... 


 A história desta colecção visitável deve-se ao tomarense Aquiles da Mota Lima. Em 1953, ao viajar para Inglaterra, com o objectivo de assistir à coroação da rainha Isabel que travou conhecimento com uma senhora que fazia colecção de caixas de fósforos. Em conversa, ficou acordado que Aquiles Lima lhe enviaria as caixas mais bonitas que encontrasse durante as suas viagens. Cumprindo o que lhe fora pedido, comprava dois exemplares, um para a senhora e outro para si. Quando chegou a Portugal, somava já uma centena, marcando o início do fascínio pelo Filumenismo, que foi crescendo a par da sua colecção.

No dia 1 de Março (Dia da Cidade) de 1980, este Cidadão Benemérito doou as cerca de 43 mil caixas e 16 mil etiquetas de fósforos, coleccionadas ao longo de 27 anos, ao município de Tomar, o qual, apenas em 1989 as instalou numa das alas do Convento de São Francisco, classificado como Imóvel de Interesse Público (IIP). O acesso foi, desde o início, gratuito.

Distribuída ao longo de sete salas, esta colecção, cujas caixas contêm todos os fósforos, representa cerca de 127 países, através dos quais é possível observar uma peculiar descrição da história e cultura universais. As secções de exposição estão divididas em três períodos: de 1827 a 1895; de 1895 a 1910; e, por último, de 1910 à actualidade.

A primeira sala é dedicada aos certificados de participação em exposições de Filumenismo, à apresentação de algumas etiquetas de caixas de fósforos italianas e, ao centro, de uma máquina de etiquetagem.

Da segunda à quarta sala são contemplados países de vários continentes, como por exemplo Grécia, Brasil, EUA, Cuba, Panamá, Colômbia, Uruguai, Roménia, Bulgária, Malta, México, Japão, China, Eslovénia, Estónia, Ucrânia, Tunísia, Vietname, Tanzânia, Paquistão, Coreia, Etiópia, Argélia, Irlanda, Finlândia, Angola, Austrália, Irão, Inglaterra, Suíça, Áustria, Alemanha, Rússia, etc. Nestas caixas podemos observar as paisagens de cada país, os seus respectivos trajes, tradições, reis, quadros célebres, instrumentos musicais, estrelas de cinema, jóias e pedras preciosas, esculturas, cerâmica, mitos e artes lendárias, ciência, tecnologia, desporto e religião, entre muitos outros temas. A publicidade a produtos nacionais também estão presentes, assim como a fauna e a flora.

A quinta sala é dedicada a alguns países da Europa, possuindo exemplares provenientes da Bélgica, Holanda, ex - Repúblicas Federal e Democrática Alemãs.

A sexta sala versa exclusivamente sobre Espanha, onde é possível admirar a tauromaquia, as danças tradicionais como as sevilhanas, os trajes de cada região, os jogadores de futebol e várias personalidades importantes.

A sétima e última sala, agrupa as caixas de fósforos portuguesas, na qual se assiste a uma retrospectiva do nosso país, onde os trajes, os reis, os coches, a política e campanhas eleitorais e os monumentos saltam à vista. Também a publicidade a produtos alimentares da época são alvo de atenção.

As sete salas estão recheadas de curiosidades; desde a mini-caixa com fósforos minúsculos à maior, com cerca de 40 centímetros. Podemos ainda apreciar os fósforos anti-vento e os que acendem sob a água; a caixa sobe-escadas, equipada com uma vela para que se pudesse subir as escadas sem queimar os dedos; os puzzles feitos com várias caixas; caixas redondas, hexagonais, de prata e bordadas; fósforos com incenso... Cada uma das alas reserva caixas surpreendentes.

A colecção do Museu dos Fósforos está em constante crescimento, uma vez que novas caixas continuam a integrar o espólio, através de doação ou compra.

De portas abertas todos os dias da semana, o Museu dos Fósforos Aquiles da Mota Lima convida a uma viagem pelo mundo, desvendando a beleza de cada um dos lugares.